R. Antônio de Barros, 2391 - São Paulo/SP
(11) 2925-5653
adulto com olhos de criança

ADULTO COM OLHOS DE CRIANÇA

Todos nós nascemos com uma pureza infantil, espontânea, alegre, com capacidade de entrega e de viver de maneira mágica, transformando fantasia em realidade. Quando crescemos, passamos por uma transformação muito dolorosa. Nessa travessia, estranhamente, essa pureza e encantamento pela vida dão espaço a uma visão mais “realista” e complexa do mundo que vivemos.

Sem querer e sem perceber vamos enterrando alguns sonhos, fantasias, desejos e sentimento.

A criança interage com o mundo brincando, ora brinca sozinha, ora com outras pessoas. Quando bloqueamos seu desejo de brincar e interagir, por questões extremamente racionais, acabamos enterrando sua inocência.

Ela treina a entrada na vida adulta, se colocando em vários papéis (mãe, cachorro, carteiro), troca de lugar com o outro, planeja as próximas brincadeiras, cria soluções para elas e avalia como foi brincar, assim como terá que fazer com a vida.

Brincar é uma maneira divertida de a criança interagir com outras pessoas, aprender a seguir regras, respeitar o outro e conviver em grupo. Deixamos de usar esse recurso por medo de se machucar e nos fechamos para o mundo.

Adulto com olhos de adulto coloca várias exigências entre ele e o os outros, dando inicio a produção de sofrimento na tentativa de proteger sua criança interna da provável dor. Ignora a dor do outro e todo mundo sai machucado.

Adulto com olhos de criança é aquele que vê a possibilidade de viver espontaneamente, conectando sua força interna de realização com a capacidade de brincar de ser feliz para manter relações intimas consigo mesmo e com o mundo.

Se trocar sua lente de adulto por uma de criança, pode alterar a forma como vê o mundo e as coisas a sua volta. Com esse olhar ampliado pode enxergar realidades que até então não conseguia.

Uma das razões para que alguns adultos tenham atitudes imaturas e sejam tratados como crianças, é por que se confundiram com essas essências básicas da infância e se esqueceram de alimentar sua criança interior, para ela continuar com seu dom de transformar algo impossível em possível.

Veja se perdeu sua criança interior em algum momento da sua vida e volte nesta ocasião para ouvir o que ela tem a te dizer. Quais pedidos ela faria a você novamente, acreditando agora que você os realizaria?

Com amor,

Ana Flávia Fernandes

31 de maio de 2013
||

Posts Relacionados

Deixe uma resposta