R. Antônio de Barros, 2391 - São Paulo/SP
(11) 2925-5653
filho nao obedece

AS CRIANÇAS ENTENDEM, MAS NÃO OBEDECEM

Algumas pessoas acreditam na ideia de que criança não entende o que os adultos falam. A dúvida mais comum quando digo que as crianças sabem o que os adultos querem é: se elas entendem, por que não obedecem?

A obediência infantil está vinculada ao tipo de comunicação que se estabelece.

A criança pequena desafia os pais o tempo todo e esta é uma forma natural de buscar limites. Precisa testar os pais para saber até onde pode ir. O ponto é que na maioria das vezes os pais não sabem como definir estes limites e sem perceber evidencia ao filho essa dificuldade.

Quando o limite do bom senso é ultrapassado, os pais utilizam recursos inadequados na educação de uma criança como, por exemplo, o grito acompanhado de ameaças de castigo e agressão física.

No primeiro momento a criança até se intimida. Com o passar do tempo vai se acostumando com esta forma de comunicação e consequentemente reproduz a conduta, gerando um grande desgaste emocional e prejudicando o relacionamento familiar.

Recuperar a voz do respeito é o maior desafio para os pais. Chegam ao consultório totalmente desprovido de autoconfiança, confusos e revelando atitudes desarmônicas ao amor que sentem pelo filho.

A prevenção é sempre o melhor caminho para a situação não chegar neste ponto. Procurar recursos efetivos para que o respeito seja aprendido desde cedo, facilita a comunicação entre as pessoas.

Dicas para uma comunicação efetiva com os filhos:
– Toda conversa deve acontecer “olho no olho”, esta atitude evita o olhar de superioridade;
– Firmeza na voz e na postura corporal, isso não significa “bater com a língua” ou ficar com dedo em riste;
– Evite dizer que vai contar para o pai /mãe o que a criança aprontou para não tirar sua capacidade em resolver a questão;
– “Eu não sei mais o que fazer com você e você vai me deixar louca”, são frases que podem indicar a criança o poder que ela exerce sobre o adulto;

Exercer o amor e o limite na mesma proporção são ferramentas essenciais para os relacionamentos acontecerem intermediados pelo respeito e não através do medo.

Com amor,

Ana Flávia Fernandes

Posts Relacionados

2 comments

Oi Ana! Realmente tem sido um desafio impor limites para uma teimosinha que temos lá em casa. É mesmo difícil equilibrar amor e limites na educação de uma criança e nesse caminho dá pra se perder muito fácil… Temos lido seus posts e estamos adorando as dicas. 🙂 Um beijo. Camille.

Olá Camille, essa caminhada como educador é realmente desafiadora. Caso queira ver algum conteúdo mais especifico do que estão vivendo, me escreva para colocar aqui como reflexão que pode ajudar outras famílias. Obrigada pelo carinho! Beijos

Deixe uma resposta