R. Antônio de Barros, 2391 - São Paulo/SP
(11) 2925-5653
Heranças emocionais

AS RAIZES DAS EMOÇÕES DAS CRIANÇAS

Poucos assuntos são mais relevantes que o processo de aprendizagem das crianças. Um processo rico, de crescimento natural para a vida, que todos nós passamos, é repleto de mudanças e que não para nunca.

Os três e quatro primeiros anos de vida são períodos em que o cérebro da criança funciona a todo vapor para captar o maior numero de aprendizado possível e é nessa fase que os principais tipos de aprendizagem acontecem mais facilmente.

É na vida em família que também iniciamos as aprendizagens das nossas emoções. Aprendemos não somente através do que nossos familiares fazem ou dizem, mas também a partir do modelo que oferecem quando lidam, individualmente, com as suas próprias emoções.

O que acontece muitas vezes é que quando vemos as crianças em uma situação super difícil, desconfortável e de grande tensão, tiramos elas desse momento, pois sentimos pena na hora de frustra-las.

Na intenção de evitar o sofrimento, recuamos e fazemos elas recuarem também. Na próxima tentativa em avançar no desafio, provavelmente será ainda mais difícil e desconfortável do que da primeira vez.

Quando achamos que estamos dando o conforto que eles precisam, na verdade afastamos eles da realidade em suportar um processo natural de quem vive um desafio para conquistar alguma coisa nova. E essa pode ser uma dificuldade nossa em ter medo de viver os processos naturais da vida.

Todos estes desafios podem ser vistos como uma possibilidade para ajudá-los a avançar, vencer os obstáculos e criar uma bagagem de auto confiança.

Como parceiros de jornada podemos atravessar e suportar com eles aquilo que estão vivendo. E juntos aprender como nos sentimos em relação a nós mesmos e como os outros vão reagir aos nossos sentimentos. Aprender como identificar cada sentimento e como reagir a eles, decodificando e manifestando nossas expectativas e temores.

Se agirmos dessa forma, interrompemos o ciclo do medo, que provavelmente, herdamos de gerações anteriores as nossas, e sem ter a intenção, transmitimos aos nossos filhos.

Podemos olhar para as características herdadas e construir uma estrutura familiar que manifesta a real e profunda importância que cada um tem, acompanha junto os desafios, as conquistas e alimenta sobretudo o amor e não o medo paralisante.

Novos movimentos podem surgir na trajetória de vida familiar. A cumplicidade, o respeito e o amor ajudam a dar um novo sabor para as conversas e os desafios podem ser vencidos a cada etapa. E no fim, todos serão beneficiados com encontros mais afetivos, efetivos e de grande aprendizado.

Com amor,

Ana Flávia Fernandes

Posts Relacionados

1 comentário

[…] consegue expressar verbalmente tudo o que pensa, a frustração dá lugar à raiva e a raiva gera a birra, como forma de […]

Deixe uma resposta