R. Antônio de Barros, 2391 - São Paulo/SP
(11) 2925-5653
desculpa

ENSINANDO AS CRIANÇAS A PEDIR DESCULPAS

Sempre ouvimos que quando uma pessoa causa um mal-estar em relação a alguém, ela precisa se desculpar. Mas, na hora de ensinar as crianças, será que refletimos sobre a melhor maneira para elas compreenderem esse aprendizado?

De um modo geral, existe uma obrigação para que a criança peça desculpas. Esse pedido muitas vezes vem de uma cara feia, ficar sem falar com o filho uma semana ou de uma chantagem como “enquanto não pedir desculpas, você não vai brincar.” Como conseqüência, vemos a criança fazer um pedido solto e os pais com uma sensação de dever cumprido.

Na maioria dos casos, as crianças não nos magoam por maldade, mas por um descuido. O nosso desafio é fazer com que percebam quando criam um mal-estar e conversar sobre isso.

Ao procurarmos a criança para falar de algo que ela fez e nos magoou, damos a ela a capacidade de prestar atenção em si mesma, o que achou daquela atitude, se gostaria que fizéssemos o mesmo com ela e, por fim, se acha que deveria ter feito aquilo. Assim, facilitamos sua percepção de que alguma coisa não está bem no relacionamento com as pessoas que ama e quando isso acontece nós nos desculpamos e nos oferecemos para reparar a situação com uma nova atitude.

É importante mostrarmos aos pequenos que a vida é cheia de mal-entendidos e muitos deles não conseguimos evitar. A boa noticia é que podemos treinar a sabedoria de lidar com os incômodos que surgem nos relacionamentos para conservar a cabeça livre de pendências. Quando sabemos que temos que fazer alguma coisa, então, vamos lá e fazemos, pois entendemos que enquanto não fizermos, estaremos com a cabeça ocupada com aquele problema. Enquanto isso, a preocupação vai aumentando, a angustia vai crescendo e só terminará quando a pendência for resolvida.

O segredo é manter a nossa cabeça livre de pendências e preocupações, dessa forma, estamos com a cabeça disponível, tranqüila para novas experiências e teremos mais tempo para sermos felizes juntos.

Com amor,

Ana Flávia Fernandes

Posts Relacionados

Deixe uma resposta