R. Antônio de Barros, 2391 - São Paulo/SP
(11) 2925-5653
amizade

"NINGUÉM GOSTA DE MIM"

É de cortar o coração quando ouvimos de uma criança que ela não tem amigos ou que ninguém gosta dela. E muitas vezes nos sentimos impotentes com isso, sem saber o que fazer para ajudá-los.

A boa noticia é que quando os pequenos se abrem dessa forma para nós, por mais angustiante que seja essa mensagem, eles estão nos dando a oportunidade de resolver o problema com eles.

Auxiliar as crianças com suas amizades é um dos papéis mais importantes que temos, pois as crianças pequenas ainda vivem no egocentrismo e normalmente brincam com diversas crianças, mas ainda não sabem demonstrar grande interesse por elas. Mais pra frente é natural que tenham muitos amigos, mas desenvolvam uma proximidade maior com um grupo mais restrito.

Podemos ajudar a construir esses vínculos com algumas ferramentas fáceis e que funcionam muito bem para conduzirmos essas situações. A primeira delas é ouvirmos atentamente o que a criança está nos contando.

Ela está dizendo que tem um problema, por isso antes de resolvê-lo, é importante apenas ouvi-la e descrever o que deu errado. Podemos observar como a criança fala e cuidadosamente mostrar que ouvimos e entendemos, repetindo o que ela disse. Por exemplo: “Você está me dizendo que sente que está sendo deixada de fora das brincadeiras.” Nesse primeiro momento, evite fazer qualquer tipo de julgamento ou propor soluções úteis. O que precisamos transmitir agora é a empatia e isso pede uma escuta acolhedora, um olhar mais sereno, uma voz mais suave e o coração aberto para compreender como pode ser desconfortável aquela experiência para a criança.

Após ter dado aos pequenos a experiência de nos perceber presentes, atentos e interessados no que eles querem nos dizer, podemos ir para o próximo passo, em que vamos oferecer uma mão amiga.

É essencial perguntarmos se eles gostariam da nossa ajuda para resolver este problema e estimular a pensar em algumas maneiras de melhorar seu relacionamento com os amigos antigos, os atuais, vizinhos e etc.

Propor encontros fora da escola, uma tarde de jogos ou alguma atividade de interesse que outros possam compartilhar, são sempre boas alternativas. A proximidade entre as crianças aumenta quando recebem os amigos na sua própria casa, um ambiente em que se sentem totalmente seguros.

Nosso papel é estimular essas amizades para que as crianças possam aprender a criar uma estrutura de cuidado e confiança com o outro. O grande desafio é vencer a correria do dia a dia e as agendas repletas de compromissos. Ao abrirmos este espaço para cuidarmos das amizades, normalmente, temos um bom resultado. As crianças se mostram abertas para o outro, para construir junto, aprendendo a diversidade, a convivência e o respeito.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta