R. Antônio de Barros, 2391 - São Paulo/SP
(11) 2925-5653
pote da calma

O POTE DA CALMA

Cada cultura tem um tipo de resposta para o choro das crianças. Desde aquelas que acreditam que chorar fortifica os pulmões até as que recusam o fato de alguém deixar uma criança chorar ainda que por um só minuto. Não existe receita, cada criança é diferente e o nosso desafio é dedicar tempo e esforço para aprender o que elas querem dizer com cada choro. Mas, o que fazer quando nada parece ajudar ou acalmar a criança?

Em muitos casos falar de uma maneira gentil e suave é o suficiente para confortar a criança e o choro acabar. Porém, se isto não funcionar, podemos fazer contato visual com a criança ou encostar gentilmente uma mão sobre ela. Geralmente, isto acalma a criança.

Se não der certo, podemos checar para ver se tem algum desconforto físico (fome, calor, frio, dor) fralda molhada ou a necessidade de ficar em uma posição diferente. Resolver este problema quase sempre tranqüiliza e elimina a vontade de chorar.

Talvez, se nos esforçarmos para “confortar” as crianças de outras maneiras (não dando comida ou chupeta – que ensina a elas que a tranqüilidade está em colocar algo na boca), nós poderíamos ajudá-las a conhecer melhor suas necessidades.

É comum que uma mãe e um pai cuidadoso pense que choro é sempre fome ou dor. Mas, as crianças podem estar preocupadas, tendo pensamentos ruins, com medo, se sentindo sozinhas ou entediadas. Cada choro quer ser compreendido e existem muitas razões para elas pedirem nossa ajuda.

Quando todas essas possibilidades estiverem satisfeitas e mesmo assim o choro continua, podemos usar um recurso concreto e que pode ser levado com a criança para ajudá-la sempre que precisar. O pote da calma surgiu como uma atividade sensorial que traz o foco para o momento presente. Enquanto a criança mexe o pote, ela é atraída pelo brilho, cor e movimento da água que ajuda a direcionar seu foco para um único ponto diferente do seu mundo, que naquele momento está “fora de controle”. Isso gera um conexão com a sua própria respiração, pensamentos, emoções e possibilita novas formas de explicar os motivos de estar se sentindo daquela forma.

Uma dica importante é apresentar o pote da calma para a criança em um momento de tranqüilidade, assim ela compreende melhor para serve e como funciona. Podemos envolver a criança em todo o processo de montagem, desde a escolha pelos materiais, cores, adesivos até o fechamento do pote.

É possível fazer muitos potes com cores e efeitos variados. Veja o passo a passo e algumas fotos para te inspirar.

Você vai precisar de:

  • 1 pote de plástico transparente com tampa
  • Corante alimentar (a quantidade que quiser)
  • Purpurina e estrelinhas (a quantidade que quiser)
  • Água

Como fazer:

Coloque a água dentro do pote. Lembre-se de deixar um espaço vazio na parte superior do pote para que a água possa ser agitada. Adicione a purpurina e as estrelinhas. Acrescente o corante, feche bem a tampa do pote e mexa o pote para misturar todos os ingredientes. Se quiser, finalize decorando a tampa ou a parte superior do pote (onde não tem água).

Com amor,

Ana Flávia Fernandes

1 de junho de 2016

3 comments

[…] esse cantinho). Pode ser uma cabana, um local com almofadas, livros, bichos de pelúcia, cobertor, o pote da calma, enfim, tudo aquilo que possa ajudar a criança a viver essa trajetória para se acalmar e se […]

Olá! Esse pote pode ser feito para criança com 5 anos de idade? Nos momentos de birra, choro, nervosismo ?

Oi Aline!!! Pode ser feito com crianças de qualquer idade, lembrando que precisa lacrar bem a tampa para a criança não abrir e ingerir o liquido. Uma dica importante é apresentar o pote para a criança em um momento de tranqüilidade, assim ela compreende melhor para que serve e como funciona. Esse recurso pode ser usado em momentos de nervosismo, birra e choro. Espero que seja útil para vocês também!!! Beijos

Deixe uma resposta