R. Antônio de Barros, 2391 - São Paulo/SP
(11) 2925-5653

SEPARAÇÃO DOS PAIS: O INÍCIO

Imagine um grande navio que os únicos tripulantes são a mãe, o pai e o filho. De repente, o navio bate em um iceberg e começa a entrar água dentro do navio.

Diariamente vivemos situações como esta na relação familiar. Então o marido ou a mulher, ao invés de conversar e decidirem qual o melhor caminho para todos se salvarem, prefere reclamar: “você não viu que esse barco era feito desse material ruim e que poderia afundar na primeira batida?”. O acusado retruca: “se você sabia que isso ia acontecer, a culpa é sua!”. O filho pequeno sem ter noção do que está acontecendo, começa a chorar ao ver os pais gritando um com o outro. Na troca de ofensas os pais nem se dão conta de que o navio está afundando.

A falta de sintonia entre os tripulantes é o indicio de grave conflito relacional nesta família.

Mesmo que um dos tripulantes não saiba como tirar a água do navio, em momentos difíceis como estes todos devem unir forças para não deixar o barco afundar. Durante a travessia é importante que em momentos de surpresa a tripulação tenha maturidade e motivação de somar forças para evitar que todos morram afogados.

Assim como as tempestades e fortes ventanias avisam os tripulantes se o navio resistirá sem naufragar, os sinais de que a relação não vai bem aparecem bem antes de o casamento acabar.

Os principais sinais são:

Afastamento físico

Redução do diálogo

Pouca disponibilidade para o outro

Intolerância

Trocas de acusações

Brigas constantes (inclusive na frente do filho)

 Atração por outras pessoas

Traição

Alivio em ficar sozinho

Um querendo eliminar o outro da sua vida

Diante destes sinais fica mais fácil identificar como você está participando ou não para que a boa convivência familiar aconteça.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta