R. Antônio de Barros, 2391 - São Paulo/SP
(11) 2925-5653
separacao qual melhor idade

SEPARAÇÃO: QUAL A MELHOR IDADE?

Toda separação de um casal que tem filho costuma ser um momento muito difícil. Além do sofrimento, a separação entre o casal será um momento de muitas mudanças para a família. Mas, o que mais preocupa os pais são as reações dos filhos.

As mudanças que a separação pode causar nem sempre são ruins, isso vai depender de como será conduzido todo o processo da separação.

A maioria dos casos de separação física surge a partir da separação emocional, que geralmente acaba conduzindo o casal aos frequentes desentendimentos e possíveis agressões verbais e físicas. Nesse momento a união se torna impossível e o casal acaba escolhendo o divórcio.

Mesmo diante do sofrimento que toda a separação causa, com a presença dos filhos, os pais muitas vezes confundem seus sentimentos e adiam decisões a partir da reação que o filho tem.

Ainda que a separação provoque reações psicológicas nos filhos, a convivência em um ambiente familiar infeliz prejudica ainda mais a saúde da criança. Ao presenciar os desentendimentos dos pais, o filho aprende que os conflitos se resolvem da forma como os pais estão fazendo, na maioria das vezes, com agressividade.

A forma como cada criança reage emocionalmente à separação vai depender de fatores como sua idade, maturidade psicológica, a qualidade da relação dos pais e o suporte emocional que recebe.

A criança de 0 a 6 anos passa pela fase de formação de vínculos e reconhecimento daqueles que lhe dão suporte emocional. Neste momento, se a separação acontecer de forma inadequada, pode gerar fantasias e dificuldade de formação do vinculo com aquele que não ficar com a guarda do filho.

A criança de 6 a 12 anos já compreende melhor os vínculos formados e o que é separação. Mesmo que ainda se deixe levar pela fantasia, quando tem esclarecidas suas dúvidas, como por exemplo, sobre como ficará sua rotina, começa a se relacionar de maneira mais realista com as questões da separação.

O adolescente de 12 a 18 anos começa a estabelecer relações mais intimas com as pessoas. Passa a se relacionar com pessoas desconhecidas do ambiente familiar, o que auxilia sua compreensão de estruturas familiares diferentes da sua.

Independente da idade do filho, o ponto principal de toda a trama da separação é olhar para o seu lado oposto – a relação. Ela será a base de sustentação de todos os vínculos que o seu filho terá no futuro. Então, se a sua relação com ele for de confiança e amor, a probabilidade dele viver esse processo de separação dos pais com mais maturidade e estabelecer relações mais maduras será muito maior.

Com amor,

Ana Flávia Fernandes

6 de maio de 2013
||||

Posts Relacionados

Deixe uma resposta